Web
Analytics
Brasilia
21 Aug, Wednesday
28° C
TOP

Abertura para as mulheres sauditas

Abertura para as mulheres sauditas

O rei Abdullah ibn Abdulaziz com mulheres sauditas.

Minha coluna no O Globo de 25/01/2013:

O rei Abdullah tem pressionado e enfrentado os ultraconservadores, que se queixam a cada brecha aberta

RASHEED ABOUALSAMH

O anúncio da nomeação de 30 mulheres sauditas pelo rei Abdullah, no dia 11 de janeiro, para serem membros do conselho de Shoura, uma espécie de parlamento que propõe legislação e políticas, deixou muitos sauditas felizes com esse avanço para as mulheres sauditas. Até então, o conselho de Shoura tinha sido um bastião exclusivamente masculino de 150 membros.

O decreto real nomeando as mulheres também especificou que 20% dos lugares no Shoura daqui em diante tinham que ser ocupados por mulheres, fazendo a Arábia Saudita pular no ranking mundial de países com mulheres no Parlamento da posição 184 para o 80º lugar. Ironicamente, isso botou o reino saudita à frente de países como os EUA, Irlanda, Rússia, Índia e até do Brasil, em termos proporcionais.

Todas as mulheres nomeadas, exceto por três delas, têm doutorados, e são líderes nas áreas em que atuam. Thuraya Obaid, uma das nomeadas, foi uma diretora no programa de desenvolvimento internacional das Nações Unidas em 2000, enquanto Hayat Sindi é uma das melhores atuantes no campo de biotecnologia.

“Eu fiquei emocionada e orgulhosa,” me disse a jornalista saudita Abeer Mishkhas. “Quando vi a lista de nomes fiquei feliz de ver um amplo espectro de mulheres escolhidas. Eu espero que elas usem sua experiência para avançar as questões das mulheres, como os direitos das divorciadas, o direito de dirigir e leis contra o assedio sexual.”

O rei Abdullah tem pressionado por uma participação maior das mulheres na vida econômica e política do país, o que não tem agradado em nada aos ultraconservadores, que tem se queixado a cada brecha aberta para as mulheres. O rei tinha anunciado a sua intenção de nomear mulheres para o Shoura em um discurso no ano passado. Em 2011 ele anunciou que mulheres iam poder se candidatar e votar em eleições municipais em 2015. E no ano passado, o governo proibiu homens de trabalhar em lojas de lingerie feminina, abrindo mais espaço para mulheres trabalharem no varejo.

“Nós tomamos essa decisão porque nos recusamos a marginalizar mulheres na sociedade saudita,” disse Abdullah em discurso. “Nós queremos vê-las em papéis que seguem a Sharia islâmica, e isso foi feito depois de consultar com muitos dos nossos estudiosos que apoiaram isso”, explicou, acrescentando: “Mulheres muçulmanas sempre assumiram posições que não podiam ser marginalizadas desde os tempos do profeta Maomé.”

Isso não impediu que um grupo de mais de 20 clérigos fossem protestar na frente da corte real em Riad na semana passada, contra a nomeação de mulheres ao Shoura, e com a esperança de ter uma audiência com o chefe de gabinete da corte real, coisa que não aconteceu.

O jornalista saudita Ahmed al-Omran relatou no seu site Riyadh Bureau que esses clérigos disseram que essas nomeações não representavam as pessoas morais e de bons costumes, e que um pequeno subgrupo deles divulgou um comunicado com uma longa lista de queixas contra o governo.

Entre suas acusações contra o governo estavam: o patrocínio de um caos ideológico e frouxidão cultural através de feiras de livros, clubes de literatura, bibliotecas e cafés, bem como a margem crescente de liberdade de expressão na mídia; a abertura de escolas de Direito, com isso enfraquecendo as cortes de Sharia; mudanças na política de educação que permitem a mistura dos sexos em algumas instâncias e o gasto de bilhões de rials para mandar estudantes ao estrangeiro; deixar mulheres participar de esportes, incluindo a decisão de mandar duas atletas sauditas para as Olimpíadas em Londres no ano passado, e a normalização da mistura dos sexos na sociedade através do encorajamento do emprego de mulheres em áreas como o varejo, indústria, restaurantes e escritórios de advocacia.

Como se pode ver pela longa lista de queixas, infelizmente esses clérigos ultraconservadores não querem deixar as mulheres sauditas fazer nada além de ter filhos e cuidar de suas casas. É também irônico o fato de que recorreram a uma manifestação pública, já que a maioria dos clérigos sauditas acha que protestos públicos não devem ser permitidos, porque mostrariam desobediência à soberania do país e levariam à desordem na sociedade.

A verdade é que, como sempre, mudanças na Arábia Saudita vêm do topo e não de baixo. Nos anos 1960 o governo saudita teve muitos problemas com a introdução de uma emissora de televisão, com muitos clérigos protestando contra isso, dizendo que era coisa do Diabo para arruinar o país. Restou ao rei Faisal mostrar para os clérigos que a televisão não era um instrumento diabólico se podia transmitir imagens e sons das orações ao vivo de Meca.

É com esse fundo de desprezo pelo papel da mulher na sociedade que as 30 mais novas parlamentares vão ter que trabalhar para melhorar a vida de mulheres na Arábia Saudita. Elas vão funcionar numa parte separada dos membros masculinos do conselho, com equipes totalmente femininas, podendo falar com seus colegas do sexo oposto somente através de câmeras de vídeo. Mesmo assim, acho que a adição dessas 30 ao conselho vai ajudar em muito para avançar na defesa dos interesses de todas as mulheres sauditas. E isso é bom para o desenvolvimento do país e da sociedade, queiram ou não os clérigos.

Rasheed Aboualsamh é jornalista

URL: http://glo.bo/10Wwr5D