Web
Analytics
Brasilia
18 Jun, Tuesday
27° C
TOP

Primavera Árabe e a democratização da mídia no encontro de blogueiros

Primavera Árabe e a democratização da mídia no encontro de blogueiros

Acabei de voltar do Primeiro Encontro Mundial de Blogueiros, que foi realizada em Foz de Iguaçu, Brasil, de 27-30 outubro. Co-patrocinado pelo Centro Barão de Itararé para o Estudo da Mídia Alternativa e a Usina de Itaipu, o encontro reuniu 468 participantes de 22 países e 16 estados brasileiros.

Meu amigo, o blogueiro saudita Ahmed al-Omran, foi um dos palestrantes convidados, bem como a americana Jillian C. York e o Paquistanês Muhammad Farhan Janjua.

Embora a conferência foi anunciado como sendo “internacional”, meus amigos estrangeiros reclamaram para mim da falta de tradução para o Inglês na cerimônia de abertura, e a escassez de brasileiros que falavam Inglês nos principais aeroportos em São Paulo e Rio de Janeiro. Isso deixou-os frustrados e incapazes de comunicar suas necessidades para os brasileiros. Eu tinha que traduzir para Farhan para explicar-lhe o que os oradores estavam dizendo na cerimônia de abertura, que foi realizada em frente a Usina de Itaipu com uma banda ao vivo e um show de fogos de artifício.

Eu comentei com meus amigos que eu não sabia como o Brasil iria conseguir sediar a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas em 2016, quando tantos brasileiros não falam Inglês ou qualquer outra língua estrangeira. Este vai ser um grande problema para o país e para os visitantes estrangeiros, apesar de que eles poderão contar com a amizade e o calor humano da maioria dos brasileiros para conseguir se entender.

Gostei da conferência, embora às vezes eu senti que eu estava em uma reunião da juventude de esquerda militante, tal era o apoio evidente forte para o Partido dos Trabalhadores, o ex-presidente Luis Inácio “Lula” da Silva, e o Movimento dos Sem Terra.

Esta foi a principal desvantagem do encontro em que muitos dos palestrantes tendiam a falar sobre a luta por uma mídia mais democrática, livre do controle dos monopólios capitalistas, como a TV Globo, que é controlado pelo família Marinho do Rio, e do jornal Folha de São Paulo. O que os palestrantes não falaram foi que a tão odiada revista semanal Veja e o jornal Folha, têm sido responsáveis por campanhas de anti-corrupção este ano, que ajudaram a forçar a renúncia de cinco ministros no governo da Presidente Dilma Rousseff, sendo o último o ministro dos esportes, Orlando da Silva, do Partido Comunista do Brasil, que foi forçado a sair no final de outubro. (Alguns analistas dizem que Dilma esta feliz que está se livrando de muitas nomeações que foram forçados sobre ela por seu mentor Lula).

Infelizmente, o debate político no Brasil tornou-se extremamente polarizado, com os esquerdistas do PT, PCdoB, PSOL de um lado e os direitistas do PSDB (chamado de Tucanos e o partido de José Serra, o homem que concorreu contra Dilma na eleição presidencial do ano passado e perdeu) no outro lado. O fato é, porém, que o PT só consegue controlar as duas casas do Congresso, porque governa o pais em uma coalizão estranha com o PMDB, que tem sido o lar tradicional dos grandes latifundiários e empresários, exatamente o tipo de pessoas que os esquerdistas adoram odiar tanto! Uma apoiadora do PT admitiu para mim durante a conferência que o casamento entre o PT e o PMDB foi um de conveniência pura, e que o PMDB “está pronto para vender seu apoio a quem está no poder.”

Uma visão da conferência em sessão.

O fato da conferência ser co-patrocinado pela estatal de Itaipu (co-propriedade dos governos do Brasil e Paraguai) e da companhia petrolífera Petrobras, deveria ter me dado uma pista que seria embalado com partidários de esquerda. O encontro teria sido muito mais interessante se pontos de vista diferentes fossem representados, e se o processo tivesse sido menos politizado. Também teria sido uma boa idéia ter informações mais práticas para os participantes. Diego Casaes, um militante global para Avaaz, e eu concordamos que em futuras conferências deveria ter workshops sobre, por exemplo, a segurança da Internet e como fazer vídeos eficazes para uma audiência online, e extra painéis com mais palestrantes.

Primavera árabe, Paquistão e o derrubamento de Kadafi

Para mim, o painel mais interessante foi a que abordou o efeitos da Primavera árabe no Egito, Líbia, Arábia Saudita, e a luta pela liberdade de expressão on-line no Paquistão.

Ahmed Bahgat, um treinador de ativistas no Egito, falou sobre como a revolução, que derrubou o ditador presidente Hosni Mubarak, já esta parado, e que a junta militar governante não quer abandonar o poder e realizar eleições. “Eles agora têm empurrado as eleições para 2013, pois eles não têm um candidato próprio. E também é por isso que eles estão provocando confrontos nas ruas do Cairo entre muçulmanos e cristãos, de modo que a continuação da violência pode dar-lhes uma razão para declarar a lei marcial e adiar indefinidamente as eleições”, disse Bahgat.

Ahmed al-Omran twittando durante a conferência.

A Primavera árabe não provocou uma revolução na Arábia Saudita, observou Ahmed al-Omran, mas no entanto causou protestos da minoria xiita na província oriental e por mulheres em todo o país para o direito de conduzir.

Ele observou que a grande quantidade de dinheiro do petróleo da família governante dá um grau de proteção contra protestos e tumultos, mas que a queda de ditadores árabes ajudou a quebrar a barreira do medo para muitos sauditas, que agora estão se expressando com mais ousadia on-line no Twitter e no Facebook.

Omran também destacou a recente detenção de três jovens ativistas sauditas que foram presos depois que postaram um episódio de seu programa de vídeo online que destacou a existência da pobreza na capital da Arábia Saudita, Riad. Todos os três foram libertados no dia 30 de outubro.

Muhammad Farhan Janjua

Muhammad Farhan Janjua disse à platéia como o YouTube foi bloqueado temporariamente no Paquistão quando o presidente Asif Ali Zardari foi filmado com um celular gritando “Shut up!” (Cala boca!) durante um comício político. O vídeo foi postado on-line, levando o presidente a exigir que o YouTube seja bloqueado.

Janjua também relatou como seu site de notícias, Guppu.com, teve um crescimento enorme no número de leitores depois que ele quebrou a noticia que um jogador em um popular programa de televisão, patrocinado pela gigante multinacional Unilever, morreu após se afogar em um segmento de natação. Nenhuma grande mídia quis tocar na história, explicou Janjua, porque temiam repercussões da Unilever, que é um dos maiores anunciantes no Paquistão.

Derrubar Kadafi era um ‘enredo imperialista’

Pepe Escobar, um jornalista brasileiro e correspondente especial do Asia Times Online, falou por quase 45 minutos sobre a revolução na Líbia e como a derrubada do ditador líbio, o coronel Muammar Kadafi, foi uma conspiração imperialista dos EUA, a Grã-Bretanha e França para fazer avançar suas interesses econômicos. Ele também alegou, em vez surpreendentemente, que foram dois membros das Forças Especiais do Catar, disfarçados de rebeldes da Líbia, que capturaram Kadafi e atiraram nas duas pernas dele. Eles, então, de acordo com Escobar, o entregaram aos rebeldes da Líbia.

Enquanto Escobar certamente conhece a Líbia pessoalmente, e se reuniu com muitos dos atores no drama atual do país, era chato ter que ficar ouvindo sua palestra sobre a situação na Líbia. Infelizmente, nenhum dos moderadores tentou interrompê-lo, algo que também aconteceu nos outros painéis.

Teria sido muito melhor se os organizadores tinham convidados alguns blogueiros da Líbia para participar da conferência para nos dizer como se sentiam depois de se livrar de um ditador que controlava todos os aspectos de suas vidas e matou milhares de líbios, durante os mais de 40 anos que ele estava no poder.