Web
Analytics
Brasilia
21 Aug, Wednesday
27° C
TOP

Reformistas sauditas condenados a longas penas de prisão

Sentença de 16 reformistas em Riade para penas de prisão duras levanta dúvidas sobre a equidade do sistema judicial saudita, relata Rasheed Abou-Alsamh

“Horrível, desnecessário e infundada”, foram as palavras usadas por Bassim Alim, o advogado dos 16 reformistas condenados em 22 de novembro a duras penas de prisão em Riad variando de 10-30 anos de prisão, após ser considerados culpados de formação de um organização secreta, tentativa de tomar o poder, o incitamento contra o Rei, o financiamento do terrorismo e lavagem de dinheiro.

Dr. Saud al-Mokhtar, um médico de Jeddah, recebeu a mais dura sentença de 30 anos de prisão, seguido de uma proibição de deixar o pais por 30 anos e uma multa de SR2 milhões (cerca de $533,112), por supostamente ser o chefe do grupo.

“Ele era o mais visível de todos eles na mídia, mas nunca houve um grupo, foi uma completa invenção”, disse Alim em entrevista por telefone com o Al-Ahram Weekly a partir de Jeddah.

Suleiman al-Rashudi, um juiz aposentado foi condenado a 15 anos de prisão, Musa al-Qurni a 20 anos, Walid al-Amri a 25 anos, Abdulrahman Sadiq a 20 anos e Abdulaziz al-Khariji a 22 anos, de acordo com Alim.

O grupo veio sob o escrutínio dos serviços de segurança após o Dr. Mokhtar realizar uma série de reuniões semanais ao longo de vários meses em sua casa em Jeddah, abertos ao público, em que a política e eventos atuais, como a guerra no Iraque, foram discutidos . O médico também levantou regularmente doações para enviar às crianças órfãs no Iraque e outros países árabes.

Os primeiros nove membros do grupo foram presos em Jeddah em fevereiro de 2007 depois que eles se reuniram para discutir a criação de uma organização de direitos humanos, e tinham circulado uma petição para a reforma política, de acordo com o grupo de direitos humanos Anistia Internacional. Todos os 16 foram detidos por mais de três anos sem serem acusados ou julgados até agosto de 2010. Alim não foi autorizado a reunir-se com qualquer um deles antes do julgamento.

Os 16 reformistas foram acusados de planejar começar um partido político, algo que é ilegal na monarquia absoluta da Arábia Saudita. Alim nega: “Não havia nenhum plano de criar um partido político. Havia planos de petição ao rei para a criação de uma organização de direitos humanos para educar o público sobre os seus direitos cívicos “.

Alim admite no entanto, que um pequeno sub-grupo dos 16 reformistas se reuniram com o linha-dura príncipe herdeiro e ministro do Interior, Naif ibn Abdulaziz  mêses antes das prisões começarem, e que ele tinha avisado-los a parar de se organizar. Alguns observadores especulam que pode ser por isso que eles foram tratados tão duramente na prisão e ter sentenças tão duras.

“Dr. Saud al-Mokhtar realizou uma diwaniya em sua casa todas as semanas, e até 200 pessoas teriam participado em uma única sessão “, explicou Alim. “Dignitários do mundo islâmico v participavam, bem como ex-ministros, filósofos, escritores, jornalistas e funcionários do governo. Sua campanha para arrecadar dinheiro para iraquianos foi transmitido pela TV saudita, e o número da conta para doações foi de conhecimento público “, acrescentou.

O senador americano Ron Wyden, um democrata do Oregon, e um membro da Comitiva da Inteligência no Senado, disse em 2007 que “com base nas provas que tenho visto, parece mais provável que estes homens eram na verdade ativistas da democracia.”

Na época, porém, Nawaf Obaid, um consultor de segurança junto ao governo saudita, insistiu que o governo tinha a inteligência dizendo que o dinheiro arrecadado pelo Dr. Mokhtar tinha sido desviado dos iraquianos necessitados, a fim de comprar armas para terroristas da Al-Qaeda no Iraque.

“Você tem que provar que o dinheiro foi desviado, e que ele (Dr. Mokhtar) sabia que estava sendo desviado”, disse Alim, acrescentando que o governo não tem muitas provas. “No início me foi dado acesso à lista de indiciamentos. Eles só tinham (registros de) reuniões com pessoas diferentes, e eles tentaram extrapolar a partir daí. Eles não tinham gravações de telefone, nenhum documento, nenhuma testemunha para provar suas acusações “, explicou.

Embora os condenados na semana passada são islamistas, Alim insiste que Dr. Mokhtar nunca apoio a Al-Qaeda ou a sua ideologia.

“Dr. Saud não tem nada a ver com a Al-Qaeda. Todos as suas colunas em jornais sempre foram contra a forma Taqfeer de pensar da Al-Qaeda, e para alertar as pessoas sobre o perigo da Al-Qaeda e suas formas “, disse Alim.

“É surreal e tão ridículo. Eles fabricaram estas acusações e não conseguiam sequer chegar perto de torná-los verdadeiros “, acrescentou Alim. “Não há nenhuma arma, e nenhuma fumaça saindo da arma. Esta foi uma crucificação do sistema de justiça. O juiz veio com uma sentencia pré-determinada em mente. ”

Os réus têm 30 dias para recorrer depois que o juiz dá a sentença por escrito, o que é esperado em uma semana. Alim diz que está esperançoso e vai lutar até o fim.

Perguntado se ele iria apelar para clemência junto ao rei Abdullah, Alim disse que muitas pessoas já enviaram apelos ao rei, mas que não tinha havido nenhuma resposta até agora.

“Eu sinto que o rei Abdullah não está respondendo aos nossos apelos por clemência”, disse Alim.